A internet e os moscatéis

Ontem, ia participar de minha primeira “live”, convidado pela Karene Vilela, CEO da importadora Portus Cale, para falar sobre um estilo de vinho que adoro, os moscatéis de Setúbal.

Quem me segue sabe do meu amor pelos vinhos fortificados portugueses, que são os mais “underrated” do mundo dos vinhos, quer dizer, que custam muito menos do que valem e são relegados a uma condição de vinhos de beber com sobremesas.

Há um erro em chamar vinhos doces de vinhos de sobremesa, mas isso fica para outro post. Há harmonizações sensacionais com vinhos doces e vão muito além de um quindim ou um doce conventual de Portugal (que eu adoro, quindins e doces portugueses, fique claro). Voltarei ao tema, várias vezes.

Portos, Madeiras, Moscatéis são delícias, sol engarrafado em alguns casos, noutros o tempo detido na garrafa. Algo como aquela da lenda do Aladim, você abre e libera líquidos que estão dormindo por décadas, até centenas de anos.

O Moscatel Bacalhôa é parte do grupo que produz também outro favorito, o Quinta da Bacalhôa (um dos grandes tintos, em particular nos anos de Palácio da Bacalhôa).

Se minha conexão não tivesse dado pau, eu teria contado o jantar que tive na própria Quinta, construção da época da chegada ao Brasil dos portugueses, século 16, e que resiste lá, lindamente conservada, com seu “maze” (aquele labirinto verde tão ao gosto inglês na jardinagem) e seus aposentos senhoriais.

China_SlideShow_Keynote.114-001

 

Jantei com um estimado amigo, o enólogo chefe da empresa, o Vasco Garcia, personagem com mil histórias para contar (ele me disse, naquela noite, que fora o Saúl Galvão que fez com que gostasse de consumir queijos com vinhos brancos, aqui no Brasil, vejam só).

A Península de Setúbal está parcialmente defronte Lisboa, da varanda da Quinta da Bacalhôa, num jantar de verão, se vê a iluminação lisboeta lá no fim do horizonte, o que encanta ainda mais a visita ao palácio.

Naquela noite dormi só na Quinta, os empregados após o jantar  zarparam (medo dos fantasmas, admitiram). Perguntaram antes se eu queria algo mais. Que pergunta! E foi assim que fiquei com uma garrafa de Palácio da Bacalhôa e uma de Moscatel, só para mim (e os fantasmas, que seriam vários). Não vi nenhum, teria tido grande prazer em compartilhar uma taça com algum deles, vinho não faltava.

moscateldesetubal2016

Moscatel Bacalhôa, Portus Cale (portuscale.com.br) R$73,18 no site (gostando deles como gosto eu acho quase ofensivo que custem tão pouco, uma garrafa dura bastante, é um vinho fortificado, pode ficar aberto na geladeira para uma taça diária).

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s